• Asma
  • Bronquiectasia/ Fibrose Cística
  • Câncer de pulmão
  • Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)
  • Tuberculose
  • 

    Cuidado colaborativo

    Para lidar com a epidemia de doenças crônicas, incluindo as doenças respiratórias, muitos países vêm promovendo políticas de saúde focadas em modelos de atendimento ambulatorial, que reduzem a dependência dos hospitais, por meio da construção de uma rede comunitária de apoio à atenção primária.


    O apoio matricial é um modelo colaborativo que se baseia em cuidados compartilhados, melhorando a comunicação entre os cuidados primários e o atendimento especializado, para apoiar o atendimento centrado no paciente na atenção primária

    Esse modelo de cuidado colaborativo está em consonância com o modelo de atenção proposto no Brasil, pois facilita a colaboração e o suporte entre cuidado secundário (especialista) e primário (generalista).

    Os objetivos desse modelo de cuidado incluem a qualificação dos profissionais da  rede básica de saúde para o exercício das boas práticas em doenças respiratórias crônicas, o estímulo à autonomia e à capacidade resolutiva  das equipes locais num processo de aprendizado coletivo apoiado; a melhoria da organização dos fluxos dos processos de trabalho (corresponsabilização do cuidado entre Atenção Básica & Atenção Especializada) e a racionalização dos encaminhamentos e atendimentos. Com isso é possível ampliar o acesso dos usuários graves e muito graves  aos serviços especializados. 

    A Fundação ProAR trabalha ativamente levando a diferentes municípios do país o projeto de cuidado colaborativo em doenças respiratórias crônicas. No momento, cidades como Franco da Rocha, Pindamonhangaba, Salvador e São Bernardo do Campo contam com o nosso esforço. 

    
    fechar [x]

    eucalipto

    texto texto texto