Tabagismo: o grande aliado da DPOC

17/12/2020 / por Fundação ProAr

Destaques da live realizada em novembro por Dr. José Roberto de Brito Jardim e Rosangela Vicente


Maior causa evitável de mortes no Mundo, o tabagismo foi o tema central de uma live promovida no canal da Fundação ProAR no YouTube. Na conversa  “DPOC em debate - parar de fumar e praticar exercício ajudam no tratamento?”, dois especialistas  explicaram como o cigarro é determinante no surgimento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica e deram dicas de como vencer o vício da nicotina. A conferência foi mediada pela fisioterapeuta Juliana Franceschini, doutora em Ciências e líder de projetos da fundação.

Dr. José Roberto de Brito Jardim, pneumologista e professor sênior livre docente da Universidade Federal de São Paulo, explicou que DPOC é  uma associação entre o processo inflamatório dos brônquios e o processo destrutivo dos alvéolos. E essa combinação, na grande maioria dos casos, é resultado de inúmeras tragadas: “Cerca de 70% dos pacientes que têm DPOC são fumantes e os outros 30% são aqueles que aspiram fumaça de lenha”. 

O pneumologista alertou que,  além do pulmão, as substâncias danosas do tabaco também invadem as artérias e o coração: “O cigarro tem 7 mil substâncias, sendo 4.720 conhecidas. Entre elas existe uma chamada radical livre, que é a que lesa os pulmões. Quando uma pessoa dá uma tragada, ela está consumindo um quatrilhão de radicais livres na fase gasosa”.   

Parar de fumar é possível   

Rosangela Vicente, psicóloga e coordenadora do programa de cessação de Tabagismo da Unifesp (Prevfumo), avaliou que as informações corretas sobre a doença ainda não são difundidas como deveriam. “Como reverter a vontade de fumar? É pensar em si próprio. O corpo é meu, a doença está dentro de mim. Lembrando que o tabagismo é uma doença que piora todas as doenças”.   

A coordenadora do PrevFumo reiterou que, além de procurar ajuda especializada e praticar exercícios físicos, também é preciso tomar cuidado com marketing de produtos com roupagem moderna como o cigarro eletrônico e o narguilé:  “Uma sessão de narguilé equivale a cinco maços de cigarro. Se você olha o produto e está escrito ‘tabaco’, você está na mesma folha que dá origem ao cigarro. Não importa se lá também tem o nome ‘natural’”, advertiu.

Começa na infância

Dr. José Roberto de Brito Jardim explicou que o diagnóstico de DPOC é amparo em um tripé formado pelos sintomas (tosse, catarro pela manhã e falta de ar em atividades cotidianas), fator desencadeante (tabagismo ou ambiente insalubre) e o exame de espirometria. Ele também deixou claro que crianças filhas de pais fumantes vão correr mais risco de contrair a doença crônica. “DOPC começa dentro do útero da mãe fumante, prolonga-se ou piora se a mãe amamenta e é fumante, e cresce no meio em que o pai, a mãe ou os dois fumam. O fato de essa criança vir a fumar aos 15 anos, já na adolescência, é só para consolidar uma doença que já estava predisposta”. 



  • Asma
  • Bronquiectasia/ Fibrose Cística
  • Câncer de pulmão
  • Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)
  • Tuberculose
  • fechar [x]

    eucalipto

    texto texto texto