Testes de vacina contra Covid levantam debate sobre segurança

01/10/2020 / por Fundação ProAr

Artigo publicado no The Lancet aponta dificuldade da comunidade científica em atingir a opinião pública contra desinformação sobre segurança das vacinas

A breve pausa nos testes da vacina contra Covid-19 da Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca deixou em ebulição o debate sobre a segurança da imunização em tempos de coronavírus.  Após uma semana conturbada, o estudo clínico da terceira e última fase foi retomado no último dia 14 de setembro. 


No Brasil, a volta dos testes com 5 mil voluntários foi autorizada pela Anvisa,  que ainda prometeu dobrar o número de pessoas submetidas aos ensaios clínicos. Os testes foram suspensos no dia 8 de setembro após a constatação de efeito adverso em um dos voluntários. "Mostra que eles estão seguindo todos os procedimentos éticos e sanitários pra que essa vacina seja segura", avalia Dra Laura de Freitas, farmacêutica-bioquímica, doutora em Biociências e Biotecnologia e pesquisadora na Universidade de São Paulo (USP).


No Brasil, Anvisa dará palavra final


A documentação exigida para aprovação de estudos relacionados à vacina consta na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 55/2010 da Anvisa. Entre outros pontos, o conjunto de normas para aprovação exige um dossiê de documentos, certificado de boas práticas de fabricação, plano de farmacovigilância e relatório sobre as matérias-primas que foram utilizadas.


The Lancet: ciência perde terreno para a desinformação


Embora o episódio da vacina inglesa tenha sido apontado como um exemplo a ser seguido, ganhou fôlego a discussão sobre os padrões de segurança envolvendo a corrida pela descoberta da primeira vacina eficaz contra o novo coronavírus.  


Em um artigo publicado na revista médica The Lancet, Dr Daniel Salmon e Dr Matthew Dudley, pesquisadores do Instituto de Segurança de Vacinas do Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, criticam a morosidade da ciência em encontrar antídotos contra a desinformação: "O desenvolvimento de evidências científicas robustas leva tempo, enquanto anedota e sensacionalismo viajam rapidamente. É difícil mudar a mente das pessoas quando elas já chegaram a uma conclusão. Pesquisadores e evidências de pesquisa precisam chegar na opinião pública à medida que estão sendo formados".



Comunicação flexível é uma saída


Intitulada "É hora de levar a sério a confiança na vacina", a publicação cita como exemplo uma ampla gama de estudos que descartaram associação entre vacinas infantis e casos de Transtorno do Espectro Autista (TEA). No entanto, 30% da população continua acreditando que vacinas infantis causam TEA. Na ótica dos autores, isso revela a falta de efetividade da ciência em afetar a opinião pública.


Salmon e Dudley cobram investimentos globais em vigilância ativa da segurança da vacina, monitoramento contínuo de percepções públicas e desenvolvimento de estratégias de comunicação flexíveis. A dupla de pesquisadores avalia que, se isso não foi feito, há o risco de vacinas contra Covid-19 "nunca atingirem seu potencial devido a uma contínua incapacidade de responder de forma rápida e eficaz às preocupações públicas de segurança da vacina, reais ou não".


  • Asma
  • Bronquiectasia/ Fibrose Cística
  • Câncer de pulmão
  • Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)
  • Tuberculose
  • fechar [x]

    eucalipto

    texto texto texto